20.5.08

Advirto


Advirto
Ao diabo com seus pudores
Advirto
Os encaixes não precisam ser refeitos
Advirto
Que aprendo com meus erros
E me repreendo em sua voz
Advirto
Que faço do meu corpo
Seu arrependimento
E for fim
Advirto
Carregue-me, contudo
Em forma de ausência

"Viviani ketely"

Quem



Não sei quem era aquele homem
Que chamou-me de dor
E derramou-se em amor
Não sei quem era aquele homem
Que vendeu-me dignidade
E alentou-se de passagem
Não sei quem era aquele homem
Que maculou meu peito
E protegeu-me do frio
Não sei quem era aquele homem
Que mostrou-me em verdade
E sorriu-me saudade

"Viviani ketely"